Passarela Tesoira 2006

Vigo: Passarela Tesoira 2006

Certamen galego de novos criadores de moda Tesoira 2007

Dez costureiros noveles mostraram suas propostas de temporada primavera-verão na edição do certamen de desenho Tesoira no Teatro Caixanova. Os dez finalistas foram seleccionados pelo júri entre as 59 propostas apresentadas a este concurso, cujos propósitos são "dar uma oportunidade aos criadores jovens de dar a conhecer seu trabalho e servir de escaparate para a vida trabalhista".

Galiza tem cantera de moda e a esta lhe encanta o pouco convencional, tal e como se pôde ver sobre a passarela de novos criadores Tesoira 2006 celebrada em Vigo. Sobre as tabelas mostraram-se as criações de dez galegos, um homem e nove mulheres, todos eles finalistas de um certamen de moda auspiciado pela Xunta e ao que se tinham apresentado um total de 47 desenhadores.

As propostas dos noveles da agulha têm resultado quase tão originais como os títulos dos desfiles da cada um deles. Assim por exemplo a viguesa Carolina González tem demonstrado com De campanha que o seu não é a agulha, senão a escultura. Como licenciada em Belas Artes mostrou modelos criados a partir da teia de dez lojas de campanha. A ausência de patronaje e a provocadora proposta serviram-lhe para obter o terceiro posto na classificação.

Por adiante dela tem ficado a ourensana Lorena Rodríguez, ganhadora do primeiro prêmio por sua colecção Conceptual. Para afastar da senda clássica do vestir tem procurado inspiração no universo arquitectónico de Mies Vão der Rohe e não lhe saiu nada mau a olhos do júri que, por verdadeiro, contava com um ex premiado no certamen e desenhador já maduro como Cristóbal Vidal.

O segundo prêmio tem recaído em Saray Fernández, uma jovem residente em Pontevedra e com algo em comum com as outras duas premiadas. O peso da plástica e do mundo da arte em um desfile caracterizado pelo contraste e a sofisticación próprios de uma passarela de alta costura.

Além dos prêmios em metálico, 3.000, 1.500 e 1.000 euros, respectivamente para o primeiro, segundo e terceiro classificado, a Consellería de Indústria tem advogado por ajudar à formação dos criadores com bolsas de 3.000 euros para preparar-se em centros de alto nível.

As outras sete colecções galegas seleccionadas para desfilar na passarela viguesa, Jose Matteos, Carmen Núñez, Helena Fernández-Novoa, Astrid Estévez, Ana María Pumar, María Teresa González e María Jesús Soteliño têm recebido ajudas de 1.000 euros para confeccionar prenda-las que têm exibido, com sucesso, sobre as tabelas.

O universo criativo dos que começam se pinta em negro e outros tons escuros, se sobrepone, joga com as formas e os volumes e é sobretudo muito estético.

Evocaciones à arquitectura, ao mundo onírico, ao conceptualismo e até à geometría, o desenho galego tem voltado a demonstrar que se move e que tem nas novas gerações uma perfeita oportunidade de manter sua actual liderança. Só falta que receba o apoio oportuno. E nessa tarefa está a Administração.

Fonte: A Voz da Galiza (Assinatura: Isabel Alvite). Informação da passarela em: www.gzcrea.com