Fundação Pedro Barrié da Maza

Vigo: Fundação Pedro Barrié da Maza

A fundação

A Fundação Pedro Barrié da Maza é uma entidade sem ânimo de lucro, de carácter privado, dedicada a promover o desenvolvimento da Galiza desde uma perspectiva global. Desde sua criação em 1966 por Pedro Barrié da Maza tem desenvolvido sua actividade nas áreas da investigação, a cultura, a educação e os serviços sociais. Seu objectivo tem sido desenhar iniciativas e projectos que, antecipando às demandas sociais, abrissem caminhos à acção de outras entidades, tanto públicas como privadas.

A implantação da Fundação Pedro Barrié da Maza em Vigo responde a sua vocação de entidade ao serviço de todos os galegos. É seu objectivo contar com uma presença institucional e um centro de actividade permanente na cidade mais povoada e de maior tradição industrial da Galiza em estreita associação com Banco Pastor. O centro de Vigo complementará assim a oferta da sede coruñesa da Fundação, a fazendo mais accesible para os habitantes do Sur da Galiza e Norte de Portugal. O centro de Vigo permitirá programar uma selecção de melhore-las exposições, concertos e seminários da Fundação Pedro Barrié da Maza e de seu Instituto de Estudos Económicos, e ampliar a distribuição de outros serviços da Fundação como publicações; bolsas e convocações de ajudas sociais, investigadoras e culturais.

O edifício

O edifício da sede de Vigo da Fundação Pedro Barrié da Maza é obra do arquitecto vigués Manuel Gómez Román (1876-1964). Os arquitectos Luis Moreno Mansilla e Emilio Tuñón Álvarez são os responsáveis pelo projecto de reabilitação.

Gómez Román foi, além de arquitecto, dibujante e escultor. Em decorrência de seus estudos de arquitectura em Madri entabló uma estreita amizade com Antonio Palácios. Foi numerario da Real Academia Galega e destacado militante galleguista. Gómez Román recreou a tradição monumental galega em um trânsito desde o modernismo até o regionalismo, em procura de uma arquitectura que refletisse seus ideais, em ocasiões de um academicismo distante dos últimos desenvolvimentos europeus.

Gómez Román deixou uma profunda impressão no Vigo de seu tempo, onde desenvolveu a maior parte de seus projectos. Seu traça tem perdurado em pedra até nossos dias com edifícios institucionais como o Simeón ou a Casa de Correios e Telégrafos, e de moradias como as de Enrique Mülder ou Saturnino García. O edifício que Gómez Román realiza na encrucijada entre Policarpo Sanz e Colón para sede do Banco de Vigo entre 1919 e 1923, e que será adquirido por Banco Pastor em 1928, será sua obra mais ambiciosa. Elaborado com granito branco do monte da Mina (Castrelos), seu carácter monumental converte-lhe em um dos edifícios mais emblemáticos da cidade de Vigo.

(Fonte: Fundação Pedro Barrié da Maza - www.fbarrie.org)