Barcos mercantes e de guerra

Vigo: Barcos mercantes e de guerra

Os barcos que não são de guerra, como os barcos que desenvolvem os serviços portuários, de navegação, ónus, passageiros, investigação e pesca, constituem os chamados "barcos mercantes".

A cada um destes tipos de embarcações mercantes se divide de acordo com suas características.

As gabarras são embarcações pequenas de pouco calado que se empregam para levar ao berço mercadorias transportadas por barcos que por suas dimensões não podem atracar colados a ele.

Os remolcadores ajudam na manobra de atraque e desatraque dos barcos, remolcándolos para sua entrada e saída dos portos.

As dragas são embarcações para realizar excavaciones e para extrair o lodo, e utilizam-se para conservar e aumentar o calado dos portos e limpeza do fundo.

As cisternas, também telefonemas aljibes, armazenam em tanques água ou combustíveis.

Os pontones são embarcações ou capacetes velhos utilizados para armazenar mercadoria quando as adegas dos portos se encontram saturadas.

Os rompehielos, também chamados facas de mar", são embarcações desenhadas para poder romper a capa de gelo que cobre a superfície dos mares durante o inverno.

Os cableros são barcos destinados ao tendido e reparo dos cabos submarinos.

Os navios-faro levam instalado a bordo um faro, têm a possibilidade de fondearse em lugares fixos.

Os navios-escola são embarcações que se empregam para a aprendizagem de futuros marinhos.

Os barcos de ónus seca têm grandes escotillas e adegas para embarcar peças de grande volume. A disposição de suas grúas ou plumas, que são várias, permite realizar facilmente manobras de ónus e descarga.

Os barcos frigoríficos, têm adegas que contêm compresores que se utilizam para a referigeração do ónus.

Para o transporte de ónus líquida, desenharam-se diferentes tipos de embarcações, entre as que se encontram os petroleiros, chamados também "barcos-cisterna" ou "navios-tanque" e superpetroleros que atingirão o milhão de toneladas.