Projeto abrir Vigo ao mar

imagenes/arquitectura/avm_puerto/p_vigoenfotos_6524d.jpg

Vigo: Projeto abrir Vigo ao mar

 

ORDENACION DO BORDE MARITIMO DE VIGO
Concurso Nacional de Ideias. 1993

Passeio Marífraude: Projecto 1995-1996 Construcción 1997-1998
Estación de Ría: Projecto 1995-1998 Construcción 2000-2001
Praça do Berbés: Projecto 1995-1998 Construcción 2001-2003
Praça da Estrela: Projecto 1997-1998 Construcción 2002-2004


A intervención arranca da Praça da Estrela e estende-se até a Praça do Berbés, antigo porto marinheiro da cidade. A Praça da Estrela é na actualidade um espaço conformado pelas traseras de quatro edifícios institucionais. A entrada do túnel de tráfico rodado constitui o borde oriental da Praça, sendo o único frente não construído. A fim de aminorar o impacto que supõe a embocadura do túnel propomos a construcción de uma peça em zig-zag, um graderíou que se avaria entre os árboles e formaliza um terraço elevado na que situamos uma cafetería-restaurante.

No encontro entre os Jardins de Elduayen e o mar propõe-se um edifício que em forma de Ou se inicia com uma longa rampa que ascende suavemente até atingir a cota de uma praça-olhador sobre o dársena da Laxe. Um graderíou assoma-se ao área portuária procurando formalizar essa intensa relación entre o mar e a cidade. Em seu interior contém a Estación de Ría, os escritórios de Turismo, uma cafetería e um restaurante, peças organizadas em torno de um amplo espaço central, vestíbulo común alumiado cenitalmente por um grande lucernario que descansa sobre as gradas do edifício. Este edifício-porta construído sobre o túnel de tráfico rodado e o parking procura resolver em um único gesto de forma unitaria e indo a uma volumetría singela os diversos e numerosos temas propostos neste sector do Passeio.

Quanto ao Passeio Marífraude e Jardins de Elduayen a proposta contempla a configuración de novos espaços peatonales, estabelecendo uma jerarquía entre ámbitos de estadia e percursos, redimensionando a largura e capacidade dos antigos traçados viarios, tratando de oferecer à cidade um conjunto diversificado mas unitario de espaços exteriores.

Nos extremos dos jardins propõem-se dois pequeñas construções. Em um dos acessos e com o fim de camuflar condutos de instalações subterráneas propõe-se um pequeñou pabellón, que não é senão uma grande coberta, apoiada em dois volúmenes señalados, definindo um novo espaço de rendimento coberto aos jardins, ao que se dota además de kioscos de flores e imprensa. O estanque lateral possibilita uma ingeniosa solución para a tomada de ar da ventilación do túnel a través de uma ranura longitudinal, quase um línea, que divide a superfície de suas águas.

No extremo oriental a construcción subterránea de duas plantas de instalações obrigava a emergir a superfície uma série de elementos que era preciso controlar: chimeneas de grupos electrógenos, ventilación do túnel, acesso a parking, etc. Elementos que precisam tomar ar e expulsar o ar viciado. São como as branquias dos artefactos mecánicos enterrados. Uma série de peças ranuradas, de lambas de hormigón protegidas por aluminio, de volumetrías similares e bem ordenadas sobre a plataforma pretendem resolver os problemas propostos ao mesmo tempo em que definem novos ámbitos urbanos. Uma ampla e ligeiro pérgola cobre todas as peças exentas, dando unidade ao conjunto e actuando de pórtico de acesso ao jardín. A intervención completa-se com a construcción de uma fonte de 30 m de deiámetro na glorieta do Areal, do Controle de acesso ao recinto portuário, así como dos revestimientos verticais das rampas de acesso ao túnel de Beiramar, construções todas elas realizadas com aço cortén.

Em todas estas intervenções así como no diseñou das peças de mobiliário urbano que se produziram ex-profeso para este Passeio Marífraude: luminarias, bancos, papeleras, alcorques, etc. têm prevalecido critérios de economía, racionalidad e rentabilidad económica. Elección de bons materiais -em nosso caso magníficas peças de granito- e uma cuidada e exigente ejecución que assegurem a durabilidad e os custos escassos de manutenção. Critérios dirigidos à eliminación de excessos, tão común hoje em tantas intervenções em espaços livres, introduzindo quizá em frente à expresión pessoal uma verdadeira componente de anonimato e nas que a presença de uma ténue arquitectura, em intensa relación com a natureza, afirma sua innegable vontade de ausentarse, para quase não ser.

Este projecto tem recebido o prêmio europeu ao melhor diseñou urbano de 1995 que concede a revista portuguesa de arquitectura "Architecti".

Fonte: http://www.vazquezconsuegra.com/