Julio González Pola (1900-40)

imagenes/monumentos/panteon_cruz_roja/p_vigoenfotos_3589e.jpg

Vigo: Julio González Pola (1900-40)

Julio González-Pola e García nasce em Oviedo em 1865, no seio de uma família de militares. Inicia sua carreira artística na Escola de Artes e Oficios de Oviedo e, em Madri, continúa em a Escola de Pintura, Escultura e Gravado, onde estudo com o maestro Juan Samsó e Lengluy.

Julio González-Pola desempeñó vários cargos culturais, como a vicepresidencia do Círculo de Belas Artes e a secretaría de a Sociedade de Pintores e Escultores.

González-Pola falece em Madri o 11 de maio de 1929

Julio González-Pola foi mestre em escultura e pintura do conhecido ilustrador vigués (Bouzas) Federico Beiras Montenegro que fez vida em Buenos Aires (Argentina).

 

Monumento ao Héroes da Reconquista (1947)

Este monumento representa a reconquista da cidade: o marinheiro Carolo derrubando a porta de Gamboa com um machado, uma formosa figura feminina que representa a vitória e no alto o militar que recibió a rendición dos franceses.

Se mandó construir em 1909 ao cumprir-se o primeiro centenário da Reconquista, encargándose seu construcción ao escultor Julio González Pola. Depois de um longo período de recolección de fundos, põe-se a primeira pedra na praça junto ao mercado da Pedra em 1915. Em 1929 morre-se o escultor e contínua o colaborador do falecido escultor Juan Adsuara Ramos. Finalmente inaugura-se em 1947 na praça de España para transladar-se definitivamente à praça da Independência em 1967, dantes chamada praça de Zamora.

 

Monumento da Cruz Vermelha aos Soldados repatriados de Cuba e Filipinas que morreram em Vigo

Desde o 2 de setembro de 1898, o porto de Vigo comenzó a receber barcos carregados com as tropas españondas que habían sido derrotadas na ilha caribeña por os yanquis e os insurgentes cubanos. Não foi uma volta triste, foi dramático. Trágico. O estado dos militares era lamentável. Não sóo foram derrotados pela incapacidade do governo para dirigir uma guerra a longa distância, senão que foram masacrados pelas doenças tropicais. Dos cinquenta e cinco mil homens que faleceram em Cuba entre 1895 e 1898, sóo algo más de dois mil tiveram uma morte causada pela acción de seu inimigo.

Os barcos eram transladados ao lazareto de San Simón para superar um período de quarenta, mas o doentes más graves eram transladados pela Cruz Vermelha ao sanatorio que instalaram frente o municipal de Elduayen. Allí foram tratadas 107 pessoas, das quais 20 morreram.

Ao todo, em Vigo foram enterrados 153 soldados e oficiais, muitos dos quais não puderam ser identificados. Os enterros produziram-se em tumbas individuais do cemitério de Pereiró. Mas, a Cruz Vermelha teve a ideia de realizar um mausoleo onde descansassem os restos de todos estes soldados e que, ao mesmo tempo, servisse como homenagem ao víctimas da aquela guerra colonial, em seu grande maioría procedentes de classes populares (os ricos pagana entre 1.200 e 2.000 pesetas por livrar-se de ir à guerra).

A ONG solicitó ao Concello de Vigo a cesión de um terreno no cemitério municipal e habilitó um orçamento para realizar a obra. Em princípio, ia realizar esta obra Jenaro da Fonte mas seu projecto superava as 7.000 pesetas orças pela Cruz Vermelha. Así que foi Julio González Pola o autor do mausoleo.

No añou 1912 foram transladados a este mausoleo todos os restos dos soldados expedicionarios falecidos em Vigo. Aquela atitude dos vigueses foi recompensada pelo governo español com a ampliación do lema da cidade, que ficará a partir de então como «Valente, leal e sempre benéfica».

 

Bibliografía: