Idade de ferro

Vigo: Idade de ferro

A etapa mais emblemática da arqueologia galega é sem dúvida esta, sendo o mais característico deste período cronológico, que os assentamentos se constroem em lugares elevados, com uma boa visibilidade de seu meio, que tenham em seus inmediaciones, umas boas terras de cultivo, já que esta sociedade castreña é mais que nada agrícola e o rasgo mais peculiar é a fortificación dos mesmos com um complexo sistema de fossos, parapetos e muralhas de grandes proporções (são os denominados 'castros' ).

Quanto a sua cultura material, esta é sem dúvida muito rica e variada; esta sociedade elabora uma grande quantidade de produtos, como cerâmica, bronzes (fíbulas, calderos, alfileres do cabelo, ...), orfebrería (arracadas, torques), escultura (lavras) , etc...

O Museu Municipal Quiñones de León de Vigo conserva em uma sala uma ampla representação da cultura material de alguns dos 27 castros da comarca viguesa , dos quais estão representados em diversas vitrinas peças das ilhas Cíes, Navia, Beirán, Coruxo, Comesaña, Vigo, ilha de Toralla, além de outras áreas próximas a nossa cidade como são os castros de Priegue, Chandebrito e Panxón em Nigrán, o de Xián em Gondomar, os de Troña e Fozara em Ponteareas, e os de Cabeça de Francos em Tui, Entenza em Salceda de Caselas e Taboexa nas Neves. Destes yacimientos existe uma grande quantidade de cerâmicas com diversas formas, tamanhos e decoraciones, podendo destacar as vitrinas dedicadas à ilha de Toralla e a Fozara.

Além das já mencionadas cerâmicas, se conta com um expositor no qual se exibem objectos de enfeito e uso pessoal como podem ser, pulseras, fíbulas, contas de massa de vidro, colgantes etc.., provenientes da ilha de Toralla, Cíes, Entenza, Portas e Vigo. Também neste mesmo expositor podemos ver uma parte importante dedicada aos instrumentos de trabalho que usaria esta gente, assim temos um morteiro de Zamans, um amarradoiro de Troña, molde de fundición de Fozara, molinos, pesas de telar, fusayolas, alisadores, afiladores , etc...